FOTO - TRIPULACAO FEMININA - 03 DE NOVEMBRO DE 2015

Tripulação exclusivamente feminina vai ao espaço

Pode ser muuuito divertido. Mas sabemos melhor do que ninguém que muita mulher junto em uma mesa de restaurante, por exemplo, já não é fácil. No mesmo ambiente de trabalho, então, complicou! Imagina, então, dentro de uma aeronave, com uma missão espacial de vários dias sem conforto, com alimentação super restrita e sem a ação da gravidade?

Pois essa é a proposta do experimento do Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de Ciência (The Russian Academy of Science’s Institute of Biomedical Problems). Na próxima quarta (dia 4), seis mulheres começam uma viagem de oito dias no espaço para que os pesquisadores examinem como a tripulação feminina se comporta nessa situação social, psicológica e fisiologicamente. Elas serão cobaias de 10 experimentos científicos que simulam a pressão de trabalhar em um voo espacial para a lua. Elas terão (apenas) 1 hora e meia por dia livres, para assistir filmes, ler e socializar.

As mulheres, que têm entre 22 e 34 anos, são: Yelena Luchitskaya, Darya Komissarova, Polina Kuznetsova, Anna Kussmaul, Inna Nosikova, e Tatyana Shiguyeva.

 

FOTO - TRIPULACAO FEMININA - 03 DE NOVEMBRO DE 2015

 

“Pela primeira vez temos uma equipe participando de uma experiência de simulação. É interessante para nós avaliarmos a maneiracomo uma tripulação feminina comunica e se relaciona”, diz o supervisor do estudo Sergei Ponomaryov.

A primeira mulher a ir para o Espaço foi Valentina Tereshkova, em 1963. Desde então, outras 40 mulheres, de diferentes países, fizeram a viagem. Mas essa é a primeira vez que uma tripulação é exclusivamente feminina.

O experimento tem um bom motivo: a consideração, por parte dos pesquisadores, de que o futuro nessa área é de tripulações compostas, igualmente, por homens e mulheres. E por que não?

Quando questionadas sobre como farão para ficar esses oitos dias sem maquiagem e sem homem, elas responderam: “Somos lindas sem maquiagem”, disse Darya Komissarova. “Estaremos trabalhando. E quando uma pessoa está trabalhando não fica pensando em homem ou mulher”, finalizou Anna Kussmaul.

Ótima resposta, meninas!

(Fonte e imagen: BPW Brasil)

Related articles

Voltar ao início da página